Uchôa de Mendonça: Eternos ladrões

9 de junho de 2016
NOTA– Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.


Área de terreno de marinha em Vitória. (Foto: Gildo Loyola/ Arquivo Gazeta)


A título de quê, suportamos a indigna cobrança de chamada “taxa de marinha”, sob o argumento de que um dia remoto, quando o mundo começou a ser habitado, o mar ali banhava e, os idiotas moradores da costa e de ilhas do Espírito Santo teriam que pagar uma ocupação das áreas habitáveis, não importando se próxima ou longe do mar, dentro daquele alcance de 33 braçadas, o alcance de uma bala de canhão...

Tudo no Brasil dá a impressão de novela vagabunda. Vai e vem, sobe, desce, e o tal Patrimônio da União continua metendo a mão no bolso do infeliz cidadão que acredita em papai Noel, alma do outro mundo e outras besteiras, e até nos políticos que dizem que a taxa de acrescidos de marinha acabou!!! Acabou, uma ova. Tem aí um aumento de até 500%, ao sabor da estupidez de uma administração pública ingovernável, que nem a justiça a domina. Lava-jato neles...

Vai para uns 20 anos que o Patrimônio da União contratou uma empresa para renovar o cadastro dos imóveis que tinham “obrigação” de pagar a taxa de marinha. Foi uma tragédia. Famílias que tinham imóveis há mais de 100 anos, que nunca imaginaram serem obrigadas a tanto, apareceram com débitos astronômicos.

O negócio é que, diante de uma justiça cara, lerda, deficiente em tudo, ninguém pode almejar por direito nem esperança.

Vai aí uma declaração séria: quando morrer, quero ser cremado. Não vou deixar obrigações para meus descendentes pagarem IPTU ou outro tipo qualquer de imposto pelos meus ossos enterrados. Chega-se a um estágio da vida que começamos a ficar enjoados de onde vivemos, onde as injustiças se sucedem na mesma velocidade das imoralidades.

Sempre ouvimos dizer que o Congresso Nacional se constitui na caixa de ressonância dos anseios da sociedade. Que diabo de caixa de ressonância que aprova uma lei extinguindo a taxa de marinha e ela vem mais impetuosa do que antes?

Que país de merda é este? Ou será que compomos uma sociedade de merda?

Fora de brincadeira, estou mostrando minha indignidade contra tudo e contra todos. Quando vamos ter caráter, honra, neste país?

Os políticos anunciam o fim da taxa de terrenos de marinha. O povo tolo solta foguetes, pinta e borda e, no final, a taxa vem mais alta do que antes e não tem quem dê jeito!

O negocio é que o tempo passe, ficamos velhos, morremos, e o país continua esse trapo nas mãos de gente sem um mínimo de escrúpulos.

Uchôa de Mendonça
é jornalista


COMENTAR

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ: 15.265.070/0001-49