Uchôa de Mendonça: Os crimes de Fernando Collor de Mello

1 de novembro de 2016
NOTA– Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.

O senador responde por corrupção passiva (30 vezes), lavagem de dinheiro (376 vezes) e peculato (48 vezes); e Caroline Collor, por lavagem de dinheiro (74 vezes)


Despachos de Brasília e São Paulo nos dão conta de que a Procuradoria Geral da República (PGR) acusa o ex-presidente Collor de Mello (PTB-AL) de ter recebido ao menos R$ 29 milhões em propinas de 2010 a 2014, referentes a dois contratos da BR Distribuidora e Subsidiária da Petrobras.

Os novos crimes cometidos por Collor estariam relacionados a um contrato da BR Distribuidora de troca de bandeira de postos com a empresa Derivados do Brasil e a um contrato de construção de bases de distribuição de combustíveis entre a BR e a UTC Engenharia.

Outras oito pessoas são denunciadas: a mulher de Collor, Caroline Serejo Medeiros; Luis Pereira Duarte de Amorim, apontado pelos investigadores como “testa de ferro” do senador; o empresário Pedro Paulo Bergamaschi de Leni Ramos, suposto “operador particular” do senador, entre outros.

Os denunciados responderão pelos crimes de organização criminosa; o senador responde por corrupção passiva (30 vezes), lavagem de dinheiro (376 vezes) e peculato (48 vezes); e Caroline Collor, por lavagem de dinheiro (74 vezes).

Dizem que perguntar não ofende. O que faz de volta à vida pública o Sr. Fernando Collor de Mello? Quem permitiu que ele, saído aos trompaços da presidência da República retornasse à vida pública?

Nós, brasileiros, jamais assistiremos as coisas nesta nação andarem com certa dignidade, apuro. Não generalizemos as coisas porque elas não são tão simples como possa parecer. Existe no Brasil pessoas sérias metidas na vida pública que não merecem ser atingidas com os nossos disparates mas, creiam, é muito difícil, no estágio em que nos encontramos apontar inocentes, embora eles existam. O que não é caso do senador Fernando Collor de Mello!

Questão pessoal: não vislumbro a longo prazo (100 anos), a modificação da vida pública brasileira. São tantos os Renan, Collor, Barbalho, Pallocci, Lula e Dilma que, vou te dizer. Nem espiritismo dá jeito nessa corja de malandros...

Outro dia um jovem me perguntou, qual, na minha forma de ver, analisar, o melhor presidente do Brasil nos últimos 100 anos. Sem titubear, respondi: Castelo Branco. Foi o mais importante presidente que esta República já teve em toda sua existência. Um grupo de notórios comunistas, desses que vive lambendo a sola do tênis de Fidel Castro, acha que foi Lula. Há gosto pra tudo. Depois que apareceu Sérgio Moro, acho que no frigir dos ovos, temos que assistir o desmanche da classe política brasileira.

Como permitem Fernando Collor de Mello como senador?

O Brasil não é um país sério...





Uchôa de Mendonça
é jornalista

COMENTAR

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ: 15.265.070/0001-49