Dia Mundial da Amamentaçao - Leite materno salva vidas, dizem Romina Amarante, Nicolle Fiorot, Erika Marba e Mônica Barros de Pontes

31 de julho de 2017

Comemorado no dia 1 de agosto, a data incentiva a criação de campanhas como o “Mamaço com Abraço”, promovido por Romina Amarante.


Visando promover o aleitamento materno e a criação de bancos de leite, garantindo melhor qualidade de vida para as crianças, comemora-se neste 1 de agosto o Dia Mundial da Amamentação. 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a amamentação é a principal forma de oferecer ao bebê os nutrientes necessários para sua sobrevivência e seu desenvolvimento. No leite materno, a criança também encontra anticorpos fundamentais para protegê-la no início da vida. Para a mulher, o aleitamento pode proteger contra o câncer de mama e de ovários. Além disso, a amamentação é capaz de ampliar o vínculo afetivo entre a mãe e o bebê.

A nutricionista materno-infantil do Espaço Vida Materna, Nicolle Fiorot (à direita), destaca que nos seis primeiros meses de vida, o bebê que mama no peito não precisa da complementação de nenhum outro alimento, como água ou chás. Neste período, deve ocorrer o aleitamento materno exclusivo. 

- “O leite materno mata a sede, a fome, possui todos os nutrientes que a criança necessita para crescer e se desenvolver forte e saudável. Ele nutre, protege contra doenças, é mais digestivo, elimina mais rapidamente as fezes do bebê (prevenindo a icterícia), diminui os riscos de alergias, diabetes e obesidade”, ressaltou.

Nicolle explica também que o ato de amamentar é bom não só para a saúde do bebê, mas também a da mãe. 

- “Com a amamentação, a mãe reduz as chances de desenvolver anemia e diabetes, por exemplo. Além disso, ela perde mais rápido o peso que ganhou durante a gravidez e fortalece os laços com o bebê. 

Ele, então, cresce mais seguro, pois existe troca de carinho, afetividade e amor”, pontuou. De acordo com Nicolle, a amamentação com leite materno pode ser estendida até acima dos dois anos de idade. 

- “O ideal é que o desmame seja natural”, enfatizou.

Estudos também indicam que o risco da mãe desenvolver câncer de mama e ovário diminui com a amamentação. 


“O aleitamento materno auxilia na contração do útero materno, reduzindo o risco de sangramento intenso ou de infecções após o parto”, explica a ginecologista e obstetra Erika Marba (foto). 

Ainda segundo a especialista, a amamentação também evita doenças infecciosas no bebê e, segundo recomendações da OMS e do Ministério da Saúde, é interessante priorizar cada vez mais o contato com a mãe e o aleitamento do bebê na primeira hora de vida do recém-nascido.

- “É que o primeiro leite, o colostro, funciona como uma primeira vacina, protegendo o bebê de diversas infecções, além de ajudar o intestino a amadurecer e funcionar melhor”, explicou a médica.

Foi pensando nisto, em reforçar a importância do aleitamento materno e da doação do leite humano, que a fisioterapeuta obstétrica, amamentóloga, fisiodoula e idealizadora do Espaço Vida Materna, Romina Amarante (à direita), criou a campanha “Mamaço com abraço”, que chega à sua segunda edição este ano.

- “Nossa missão é encorajar mães que amamentam a serem doadoras e ampliar o estoque de leite materno para distribuição às crianças hospitalizadas, que não podem ser alimentadas diretamente por suas mães. 
Desta forma, o bebê carente de leite materno pode suprir sua necessidade e, assim, se desenvolver de forma mais saudável. Amamentar é um ato natural e instintivo, mas também de amor e, acima de tudo, de doação. Exercer a solidariedade e ajudar ao próximo pode salvar vidas”, enfatizou.

No dia 12 de agosto, Romina reunirá um grupo de mães, todas vestidas com camisas candy color, para um piquenique em Vitória. Com o objetivo de chamar atenção para a causa, elas posarão para uma foto com seus bebês, segurando um potinho de leite aos olhos da fotógrafa Cris Coelho.

O encontro contará ainda com um bate-papo com a nutricionista materno-infantil, Nicolle Fiorot, sobre a importância nutricional do leite materno e seus benefícios para o desenvolvimento do bebê. 

A enfermeira Mônica Barros de Pontes, responsável pelo Banco de Leite do Hospital das Clínicas de Vitória/ES (foto), vai falar sobre como tornar-se uma doadora de leite materno e as estatísticas de quantas vidas podem ser ajudadas com a doação.

O leite materno pode ser doado em Bancos de Leite Humano. O leite doado passa por uma seleção, classificação e pasteurização, sendo então distribuído com qualidade certificada e sem risco de contaminação aos bebês internados. 

Considerado por muitos o alimento mais nutritivo do mundo, o leite materno pode, até mesmo, evitar a mortalidade infantil.

Letícia Passos

COMENTAR

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ: 15.265.070/0001-49